Eu não sou essa mulher forte o tempo todo


Eu não sou feliz o tempo todo, tenho erros graves e estou longe de ser padrão de qualidade. A verdade é que sou gente. Sou gente que tropeça, levanta, cai de novo, levanta, anda um pouco, cai, levanta… limpa os machucados da vida, remenda os sentimentos, chuta tudo, arrepende, dá vexame e pede perdão… e recomeça sempre...
Essa coisa de ser feliz o tempo todo, nunca existiu. O que existe é querer uma vida melhor, todos os dias, o tempo todo. Quem não busca estar em paz, não refaz as histórias e não busca leveza, logo morre de tédio de si mesmo.
Eu não sou feliz todos os dias… e, em outros, eu sinto medo, raiva, fadiga e enjôo da vida, porque não tem como ser perfeito quando dentro da gente há imperfeições que precisam melhorar diariamente.
Não adianta se sentir culpado, muito menos irritado quando nada vai bem, quando tudo parece cinza, sem a intenção de colorir, porque tem coisas inexplicáveis que precisam de tempo. Eu também não me acostumo com essa coisa de que o tempo é a melhor espera e tudo se encarrega. A verdade é que minha ansiedade é maior do que minha paciência, e nem sempre uma entende a outra ou se adapta, então eu acabo me transbordando.
Eu não sou essa mulher forte o tempo todo, muito menos corajosa. Eu tremo. Eu choro. Eu desisto. Eu xingo. Eu grito. Eu saio do eixo e desequilibro, porque não sou perfeita. Mas, eu assumo todas as minhas idiotices nem que seja para mim mesma, porque quem se garante determinado demais e forte como uma rocha, sofre de corpo e alma.
Queria ser aquela pessoa que esquece em menos de um minuto, que perdoa em menos de uma hora e que não desce do salto para dar um vexame. Eu queria ser mais fina, ter recato de madame, mas não sou. Sou assim: 50% gente e 50% humana, e é difícil, viu?!
Eu não sou intocável, ou inabalável, ou dona de mim mesma o tempo todo, porque me divido em pedaços se meus sentimentos se quebram, se preciso viver uma desilusão ou se preciso me doar para alguém.
Eu não sou grata todos os dias. Muitas vezes esqueço de agradecer, de apreciar e de me doar. Eu sou agitada demais em dias alternados, e quando me estresso de vez, não sei ser delicada, muito menos boa. Eu sou pavio curto, roleta russa, chama que não cessa, naqueles dias que é preciso respirar fundo. Realmente, eu atropelo com palavras nada lindas quem precisa, quando deixo de ser santa para ser extremo.
Eu não dou conta de ser eu mesma de vez em quando, até tento o meu melhor, mas como sou às avessas, acabo me estranhando. Não acredito que alguém seja 100% original quando é preciso ser gente, porque pintamos nós mesmos em diferentes nuances para viver a vida.
Eu amo ser eu mesma, mesmo que às vezes fechada demais, silenciosa, deprimida ou feliz ao extremo. Eu amo ser eu mesma, mesmo com vontade de fugir, de sair por aí fingindo ser quem não sou ou de bancar a louca. Eu me amo mesmo sendo fria, quente, amável, irritante, chata, paranoica. Eu me amo, mesmo que eu não entenda muito bem em como ser gente em dias difíceis pra caramba.
Eu me atropelo. Eu me entrego. Eu faço birra. Eu me seduzo. Eu me excluo. No entanto, sou maravilhosa se você souber como me ganhar.
_ Simone Guerra

Autor do post Simone Guerra

0 comentários :

Postar um comentário