Obrigada, Pe. Fábio de Melo!

Hoje, pela manhã, recebi de uma amiga pelo Whatsapp, um vídeo do Pe. Fábio de Melo com suas palavras que emocionam a alma... E, uma frase mexeu com os meus sentimentos: "o verdadeiro amor, ele chega na nossa vida, não é no dia em que o outro nos diz que nos ama. O verdadeiro amor chega na nossa vida, é no dia em que o outro, sem dizer uma palavra, nos olha nos olhos e nos convence que nos ama."

O segredo do amor está nos gestos que não percebemos ou que passam despercebidos pelas distrações em que vivemos. Perdemos tempo demais esperando confidências amorosas, juras de amor, porque sonhamos com um alguém para viver cenas de filmes e novelas. Deixamos um amor verdadeiro passar por sermos tão sonhadores ao invés de amantes, que conseguem ler sentimentos nas entrelinhas e em tons discretos.

Pare para pensar... Quando foi que o olhar de alguém que te desperta te disse "eu te amo" sem qualquer palavra? Quando foi que algum abraço te apertou calado com a intenção de "te quero"? Quando alguma mão tocou em silêncio profundo o seu rosto dizendo "você é maravilhosa" apenas pela sensação do toque? Quando? Você não se lembra? Pense... Eu também havia me esquecido até ouvir o Pe. Fábio pela manhã, e ainda me arrependi quando lembrei de tantos gestos calados que deixei escapar ou que não fiz questão de entender...

É a vida! É a nossa distração em não prestar atenção no que acontece à nossa volta. A percepção do outro, muitas vezes, fica na falta de tempo ou porque precisamos demais das palavras. O amor não precisa de surpresas absurdas e de exposições, porque pode ser tudo apenas através de um olhar. O amor não se faz em palavras, se faz de sorrisos discretos um para o outro, de almoço com minutos contados em que a correria não dá tempo, mas você sabe que é amor, porque ele está ali, mesmo que a pressa roube a cena de um beijo.

O amor não pode perder o foco de olhares insinuosos, de abraços que nos possuem, de beijos romances... Também deve ficar atento ao silêncio na hora exata, que sussurra te quero para uma vida toda. Os toques são dos amantes, os gestos dos amores verdadeiros e as palavras dos poetas, devemos misturar tudo, sem dosar qualquer gesto para vivermos o segredo de um relacionamento duradouro. O amor não vive de perfeições, mas de doações e reconciliações diárias.

Fiz minha reflexão antes de sair da cama, comunguei cada palavra do padre e percebi que estou cada vez mais virtual, digo relapsa, com as pessoas que amo tanto. Preciso ligar mais para os meus pais, talvez três, quatro vezes por dia, mesmo não tendo assunto; preciso enviar mais beijinhos para o meu filho pelo Whatsapp, mesmo ele não gostando tanto assim porque é mico; é necessário procurar mais meus amigos, nem que seja para um oi; e não me esquecer que os meus colegas de trabalho precisam do meu bom dia mais feliz e relaxado do que meu sorriso cansado.

Quando terminei aquele vídeo, me lembrei de uma frase de Machado de Assis: "Eu gosto de olhos que sorriem, de gestos que se desculpam, de toques que sabem conversar e de silêncios que se declaram". O amor está nos gestos simples, não tem exigências de palavras, não precisa de bens materiais e muito menos de dinheiro envolvido. O amor não importa com classe social, estética e dificuldades, não se deixa levar com o vento, porque é forte o suficiente quando deseja ficar e está a disposição de te fazer feliz em qualquer situação, nem que seja para esquentar suas mãos quando o dia está frio demais.

Pe. Fábio de Mello e eu, estudamos no Colégio Nossa Senhora de Lourdes em Lavras, quando ele estava no seminário menor da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus - SCJ, padres Dehonianos. Me lembro daquele menino magro, estrábico, no meio de tantos outros seminaristas. Nunca fomos amigos, mas sabia desde aquela época que ele já gostava de escrever e escrevia poemas lindos. Ele se mudou de Lavras, ordenou padre depois de alguns anos e, hoje, suas palavras escritas ou faladas tocam o coração de todos nós. Depois de tanto tempo, ele me aparece no Whatsapp, enviado por uma amiga, para falar nas entrelinhas: Simone, acorda! Preste mais atenção nos gestos, por favor! E eu digo a ele: obrigada, Pe. Fábio de Melo! 

Autor do post Simone Guerra

0 comentários :

Postar um comentário