O melhor é viver suave

Um dia de cada vez, porque nossos braços não podem abraçar o mundo. Um dia de cada vez, sem atropelar o tempo. Um dia de cada vez sem desejar que os dias voem, sem desejar que tudo se recupere num piscar de olhos, porque não tem como. Existe um tempo para aprendermos que paciência é preciso, porque nada é do nosso jeito e nem cumpre nossas vontades.

Nossos braços não conseguem envolver todos os problemas e nem todas as alegrias, porque é preciso um respirar mais calmo. É preciso que sejamos graduais, mesmo se aquela vontade dentro de nós insiste em pressa. Não é assim, porque tudo tem o momento certo para acontecer. Nem tudo vai se fazer real e nem os braços vão tomar tudo e resolver.

Um momento para cada coisa, situação e pessoa. Temos a mania de atropelar sem qualquer piedade nossa própria vida. Não adianta correr contra o tempo e fazer do último fôlego a salvação do dia. Não adianta querer pegar tudo de uma vez, porque só serve para nos fazer mais ansiosos e estressados.

A ansiedade em ver tudo pronto, amordaça nosso sossego, nos tira a paz e ainda nós dá a sensação de vazio, de impotência. Tudo está nas nossas mãos, mas não no tempo em que insistimos. Não precisamos abraçar tudo para mostrarmos que somos melhores, muito menos, para uma sociedade que nos selecionam, nos apontam e nem sequer cuidam de nós.

Realmente abraçamos tudo quando sentimos a liberdade de se viver bem. Abraçar a vida é estar em paz, é se sentir único. Querer salvar os problemas, resolver pendências, sanar dúvidas e ainda ser bom com todos, não é abraçar tudo, são deveres para se construir histórias.

Não podemos sufocar os dias, impondo a nós mesmos perfeições que não existem. Não devemos ser exigentes ao extremo conosco, fragilizando nosso emocional, cobrando tudo ao mesmo tempo e nos fazendo doentes. O melhor é viver suave, sem qualquer pressão imposta ou que nós mesmos nos impomos. O respirar calmo de dever cumprido, só acontece quando paramos de exigir perfeições para sermos leves.

Levamos muito tempo para compreendermos que não somos bons ou perfeitos o quanto pensávamos ser. Levamos muito tempo para percebemos que um dia feliz é quando não somos obrigados a fazer coisas boas ou assumir responsabilidades, mas é quando fazemos a diferença com alegria e simplicidade.

Não podemos abraçar tudo, mas podemos abraçar a calma interior. Não podemos afagar todos, mas podemos beijar a liberdade. Não precisamos ser perfeitos, porque o mais importante, é andar de cabeça erguida, coração cheio de amor e paz para transbordar.

Não precisamos abraçar tudo e a todos de uma vez, basta apenas paz e serenidade descompromissadas para que os dias sejam mais leves.

- Simone Guerra

Autor do post Simone Guerra

0 comentários :

Postar um comentário