Acordos para a vida

Estou abolindo alguns verbos desnecessários para uma vida melhor. Sem qualquer ajuste ortográfico ou permissão dos catedráticos, declaro que ações negativas não farão parte dos meus dias. Chega de tanto desistir, ocultar, mentir, desacreditar, desalinhar e outros infinitivos "ar" que nos limitam e tolhem nossos sonhos.

Uma aluna escreveu no perfil dela: o verbo "desistir" não faz mais parte da minha vida. Isto mesmo, fulana, minha aluna, você vai muito além, porque está enfrentado a vida de cabeça erguida e com vontade de simplesmente ser alguém melhor do que já é. E você, qual o verbo negativo que deveria abolir? Se não tiver, está mentindo em júri popular.

Num passe de mágica comecei a deletar coisas ruins e a prestar mais atenção nas minhas atitudes negativas. Não vou ser perfeita, mas vou ser otimista. Cansamos de pessoas que só reclamam, colocam empecilhos em tudo, acham dificuldades em coisas corriqueiras e ainda tem o mesmo discurso: não sou sonhador, me contento com o que tenho. Que preguiça! Eu sou sonhadora, tenho pesadelos e algumas alucinações em querer algo muito além do alcance. Não conquistei tudo, porém me arrisco. E, o verbo "desistir", já foi abolido da gramática da minha existência.

Vou, vou indo, onde muita gente não vai, e no caminho encontro com outras pessoas que estão fazendo seus sonhos se tornarem reais também. Tenho asco do verbo "deixar", este implica em fraqueza, limitação e, se a situação apertar um pouco mais, a pessoa logo desiste.

Chega de verbos no infinitivo que não dão coragem a vida tais como: fugir, desistir, deixar, abandonar. Louvem o verbo "cair", porque você pode levantar, te mostra o que estava errado e te faz melhorar. Chorar é permitido porque alivia a alma, acalma o desgosto e a tristeza. Machucar pode ser necessário, porque nos desperta e nos ensina. Julgar, só se for para libertar os medos e entraves. 

Infinitivos eternos: sorrir, possuir, ir, seguir, despir, amar, doar... Despir as vontades; sorrir para a vida; possuir sentimentos verdadeiros que te quer ou te que pertence; amar à vontade de  e todas as formas sem qualquer restrição ou regra para ser feliz; doar sem medir e estar em sintonia plena com o existir; ir, seguir, mesmo com medo e devem ser regras imaculadas sem quaisquer acordos.

Toda regra tem exceção, cabe a você, mudar o sentido até mesmo de uma ação na sua vida ou um verbo. Ser livre não custa nada, agora viver de acordo com as regras gramaticais do outro, pode custar sua liberdade de ser e de existir.

O verbo desistir não pertence mais a minha vida, porque me visto de coragem, mesmo se a minha alma treme. Tentar, o meu verbo imaculado de todos os dias. E qual é o seu?

- Simone Guerra

Autor do post Simone Guerra

0 comentários :

Postar um comentário